quarta-feira, 29 de setembro de 2010

In-certezas.

Sabe o que eu queria?
Que você sentasse no meu sofá e desfiasse uma bossa nova gostosa no meu violão. A gente podia escrever na varanda vendo a vida passar enquanto fica com aquele gosto de sorvete de flocos grudado na boca. Algumas gotas de álcool, talvez.
Tempos atrás você não existia assim, mas agora chegou numa mistura de retórica e travessura que eu não aguento mais ouvir os meus lençóis chamando por você.
Eu provaria tuas cores. Teus cheiros. Teus gostos.
Tomo cuidado pra que a única ressaca que se abata sobre mim amanhã seja pelo excesso.
Obrigada por me isentar da culpa.
Minha única certeza é a de querer me perder. Com você. Em você. Ser uma das suas linhas bêbadas ou um poema sujo escrito num guardanapo qualquer.

É isso que me seduz.

5 comentários:

Malu Tolentino disse...

"Minha única certeza é a de querer me perder. Com você. Em você. Ser uma das suas linhas bêbadas ou um poema sujo escrito num guardanapo qualquer."

Coração bandido eim Lud??
Beijinhos

Camii •εïз• disse...

Eita! Que tem um coração vagabundo por aqui,preciso de atualização ou não?

Paula Figueiredo disse...

Olá Ludmila... Gostei dos lençóis que chamam... É isso mesmo que rola... A coisa nos toma, não é! E por isso é que é bom! Muito obrigada por sua presença em meu blog e por suas doces palavras! Adorei! E vamos confiar na vida!
Beijinhos!

Jaya Magalhães disse...

MEU DEUS! Lud, que é isso?

Em meio à minha escrita, onde rasgo o que não sou, fico querendo acordar em mim qualquer coisa que sinta parecido com o que você escreveu.

Teu texto é tão maravilhoso, sabe? Os marcadores relatam tudo o que eu diria.

Se embebedar de alguém. E que nenhum porre cure!

Beijo grandão.

Eu, ΞĐU disse...

Oi, Ludmila...
Muuito bom o seu blog, suas idéias e seu bom gosto. Parabéns pelo trabalho.
Estou te seguindo.
Saudações,
EDU (http://edurjedu.blogspot.com)